Capital paulista antecipa vacinação fracionada contra febre amarela para dia 25

A prefeitura de São Paulo antecipou a campanha de vacinação fracionada contra a febre amarela para o dia 25 de janeiro, feriado de aniversário da cidade. A nova data acompanha o calendário estadual de imunização, que incluirá 54 municípios prioritários por integrarem corredores ecológicos. Inicialmente, as aplicações iniciariam na capital paulista no dia 26 por causa do feriado.

A campanha, que se estenderá até o dia 24 de fevereiro, tem como público-alvo moradores de 16 distritos das zonas leste e sul. Eles deverão apresentar nos postos de vacinação a senha distribuída previamente nas residências por agentes de saúde. A vacina será aplicada em todas as unidades básicas de Saúde (UBS) dos distritos que fazem parte desta etapa da campanha. Não haverá entrega de senhas nas unidades de saúde.

Os distritos da zona leste são Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Guaianases, Iguatemi, José Bonifácio, Parque do Carmo, São Mateus e São Rafael. Na zona sul, serão vacinados os moradores das seguintes localidades: Capão Redondo, Cidade Dutra, Grajaú, Jardim São Luís, Pedreira, Socorro, Campo Limpo e Vila Andrade.

A Secretaria Municipal de Saúde destaca que o fracionamento da dose segue os padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com uma dose integral, poderão ser vacinadas até cinco pessoas. A eficácia tem duração de oito anos.

Viajantes

A partir da segunda-feira (29), as unidades de referência para viajantes em território nacional terão disponíveis apenas a dose fracionada da vacina contra a febre amarela. “A pasta recomenda que, se possível, quem não está imunizado contra a doença, não se desloque para áreas com risco de infecção”, disse a nota.

A secretaria orienta que os moradores que vão se deslocar apenas “em caso de extrema necessidade” para áreas de risco, em qualquer parte do país, devem procurar as seguintes unidades: UBS Boracéa (Santa Cecília), UBS Dr. Carlos O. de Souza L. Muniz (Ponte Rasa), UBS Vila Curuçá e Jardim Campos (Vila Curuçá),UBS Vila Jacuí, AMA/UBS Integrada Vila Palmeiras (Freguesia do Ó), AMB Especialidades Tucuruvi (Santana), AMA/UBS integrada Paulo VI (Raposo Tavares), UBS José Marcílio Malta Cardoso (Rio Pequeno), UBS Parque da Lapa (Vila Leopoldina), UBS Jardim Edite (Itaim Bibi), AMA/UBS Integrada São Vicente de Paula (Ipiranga), Hospital Dia da Rede Hora Certa (Penha), UBS Vila Prudente, UBS Jardim Miriam II (Cidade Ademar), UBS Vila Constância (Cidade Ademar) e UBS Chácara Santo Antônio (Santo Amaro).

Ampliação da campanha

O cronograma de vacinação preventiva na capital paulista deve incluir novos distritos nos próximos meses. Em março, estão previstas doses para os distritos de Ermelino Matarazzo, Itaim Paulista, Itaquera, Jardim Helena, Lajeado, Ponte Rasa, São Miguel, Vila Curuçá, Vila Jacuí, Arthur Alvim, Cangaíba, Carrão, Penha, Tatuapé e Vila Matilde.

Depois serão atendidos os distritos da Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação, Liberdade, República, Santa Cecília, Sé; Oeste (Alto de Pinheiros, Barra Funda, Butantã, Itaim Bibi, Jaguará, Jaguaré, Jardim Paulista, Lapa, Morumbi, Perdizes, Pinheiros, Rio Pequeno, Vila Leopoldina, Vila Sônia); e Sul (Campo Belo, Campo Grande, Cidade Ademar, Santo Amaro)

Por fim, a campanha vai chegar aos distritos de Água Rasa, Aricanduva, Belém, Brás, Cursino, Ipiranga, Jabaquara, Moema, Mooca, Pari, Sacomã, São Lucas, Sapopemba, Saúde, Vila Formosa, Vila Mariana e Vila Prudente.

Dados estaduais

O último balanço da Secretaria de Estado da Saúde, divulgado na sexta-feira (19), mostra que 81 pessoas foram infectadas pelo vírus desde janeiro de 2017, sendo que 36 morreram em decorrência da doença. No balanço anterior eram 40 casos, com 21 mortes.

Metade dos casos foi contraída na cidade de Mairiporã, 11,1% em Atibaia e 6% em Amparo. As três cidades correspondem a dois terços dos casos de febre amarela silvestre no estado. Segundo o governo estadual, o reforço das ações de vacinação para esses municípios ocorre desde o ano passado.

No total, 20 cidades de São Paulo tiveram registros da doença, o equivalente a 3,1% do total de municípios. Não há caso registrado na capital paulista.




%d blogueiros gostam disto: